A Fé Inabalável: A Cura do Cego de Jericó e a Jornada de Jesus para Jerusalém Pular para o conteúdo principal

A Fé Inabalável: A Cura do Cego de Jericó e a Jornada de Jesus para Jerusalém


Invoquemos a Santíssima Trindade: Pai, Filho e Espírito Santo, amém. 

Caríssimos irmãos e irmãs, 

refletimos hoje sobre o relato bíblico da Cura do Cego de Jericó

Interessante notar que, enquanto o Evangelho de Lucas omite o nome deste cego, no Evangelho de Marcos ele é identificado como Bartimeu, filho de Timeu. Encontramos este homem à porta da cidade, aguardando um milagre.

Recordemos um detalhe crucial: desde o Capítulo 9 de Lucas, Jesus se encaminha resolutamente para Jerusalém, ciente do sacrifício que o espera na cidade santa. No meio de uma grande multidão, o cego Bartimeu, ao ouvir que Jesus de Nazaré se aproximava, professa sua fé clamando “Filho de Davi, tem piedade de mim”. Esta expressão, “Filho de Davi”, é um reconhecimento do Messias, do Prometido.

Apesar das tentativas de silenciá-lo, Bartimeu persiste em sua fé. Jesus, então, aproxima-se e indaga: “O que desejas que eu faça por ti?”. A resposta do cego é clara: “Senhor, que eu recupere a visão”.

Este episódio nos lembra que, assim como Bartimeu que já havia enxergado antes, nossa fé também pode necessitar de restauração. A fé pode ser gradualmente perdida quando começamos a selecionar em que acreditamos, baseando-nos na conveniência ou na resistência a certos ensinamentos. Escolher partes da fé para acreditar é como perder a visão espiritual; é desviar-se da autoridade divina revelada.

Bartimeu suplica: “Senhor, permita-me ver novamente”. Esta é uma oração que muitos fiéis deveriam ecoar: ansiar pelo retorno da fé completa, mesmo que isso implique em desafios significativos. Jesus responde afirmativamente à fé de Bartimeu: “Recupera tua visão; tua fé te salvou”. O cego, imediatamente curado, segue Jesus, louvando a Deus.

Ao acompanhar Jesus rumo à cruz em Jerusalém, somos convidados a redescobrir e reafirmar nossa fé, abraçando-a por completo, sem reservas. Esse caminho pode ser árduo, mas é também um caminho de glorificação, pois, com fé, triunfaremos ao lado de Cristo.

Que Deus abençoe a todos nós, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, amém.

Comentários

Autores do blog

Minha foto
Frank Matos
Apenas um estudante de Filosofia e Teologia, pois através dessas ciências busco a verdade e o fim último do homem, a saber, Deus.

Postagens mais visitadas deste blog

A Profunda Sabedoria da Amizade segundo São Tomás de Aquino

  A amizade é um tesouro raro e profundo, uma ligação que transcende o tempo e a distância, enraizada no compartilhamento de valores e objetivos. O filósofo e teólogo São Tomás de Aquino capturou a essência dessa relação em sua máxima: “Idem velle, idem nolle” — querer as mesmas coisas e rejeitar as mesmas coisas. Nesta reflexão, exploraremos a riqueza dessa definição de amizade, destacando como ela se alinha com os princípios tomistas e a busca pela verdade. São Tomás de Aquino, um dos maiores expoentes da filosofia e teologia cristã, entendia que a verdadeira amizade é forjada nas chamas da afinidade. Amigos genuínos não apenas compartilham alegrias e sucessos, mas também abraçam as dificuldades e desafios comuns. E o cerne dessa ligação reside na harmonia de vontades e rejeições mútuas. Quem compartilha valores, sonhos e ideais semelhantes encontra um terreno fértil para o florescimento da amizade duradoura. É interessante notar que essa definição não se limita apenas ao âmbito hum

A Comunhão Espiritual

  A Profunda Significância da Comunhão Espiritual na Vida Cristã A comunhão espiritual, um conceito profundamente enraizado na teologia tomista e na fé católica apostólica romana, tem sido um pilar essencial na vida devocional de muitos fiéis. Santo Tomás de Aquino, um dos pilares da filosofia e teologia, definiu a comunhão espiritual como um desejo ardente de receber Jesus Cristo sacramentalmente. Esta prática, elogiada pelo sagrado Concílio de Trento, assume uma importância inegável na busca pela proximidade com Cristo. O relato de experiências místicas, como o episódio de sóror Paula Maresca, fundadora do convento de Santa Catarina de Senna em Nápoles, reflete a manifestação divina em relação à comunhão espiritual. Jesus Cristo apresentou a ela dois vasos preciosos, um de ouro contendo suas comunhões sacramentais e outro de prata abrigando as espirituais. Isso ilustra a apreciação divina por essa forma de comunhão, onde o desejo sincero de se unir a Ele é considerado de igual valor.

É permitido a um homem casado servir no altar?

  A liturgia da Santa Missa é um momento de profundo significado para a fé católica, e o serviço do altar desempenha um papel de elevada dignidade nesse contexto. A Igreja reconhece essa importância ao consagrar as diversas funções do servidor do altar através das ordens menores. Cada função desempenhada pelo servidor possui um simbolismo profundo que reflete a relação do servidor com Deus e a congregação. O Hostiário, por exemplo, é responsável por soar os sinos e segurar os livros. Seu papel transcende as tarefas externas, representando um chamado à oração, guiando os fiéis com seu bom exemplo de vida. O Exorcista, por sua vez, tem a responsabilidade de despejar a água no Lavabo, simbolizando a purificação da alma. Sua função é intrinsecamente ligada à pureza de espírito, um modelo a ser seguido pelos outros fiéis. O Acólito, com a tarefa de carregar as velas e trazer água e vinho ao altar, participa diretamente na preparação do Santo Sacrifício da Missa. Ele é um farol de bondade, j

Contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Estatísticas