quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Não vos iludais; de Deus não se zomba!

O naufrágio do Titanic (onde o projetista disse que nem Deus poderia afundá-lo) por Willy Stöwer.

   Observo como o ímpio é cego quando faz suas escolhas, cego pois estas sempre lhe faz "cair no buraco", já que o mundo que ele tanto ama, diz que aquele acontecimento que trouxe-lhe prejuízo financeiro — queda no buraco — foi ruim para ele. Entretanto, enganam-se porque o maior prejuízo do ímpio é aquele deixado na alma, manchas indeléveis pelo pecado de suas escolhas. Isso sim é ruim.

   Ora, como pode uma escolha ser boa em si mesma se, esta trás prejuízo — não só financeiro, como espiritual — para o ímpio que fez tal escolha? Assim é a vida do ateu, quando faz a escolha de viver neste mundo afastado da proteção Divina, recusando-a quando passa o dia praguejando.
"Nearer, My God, To Thee" (Mais perto de ti, meu Deus).

   Analise comigo a escolha e o exemplo dado por Thomas Andrews, engenheiro naval que, junto de Alexander Carlisle, teria (provavelmente) dito: "Nem Deus afunda esse navio!". Tsc, tsc, tsc... Escolha errônea!
   Qual não foi sua surpresa quando, O Criador das coisas visíveis e invisíveis, envia-lhes um grande iceberg para acabar com sua arrogância. Digo que Deus agiu assim pois, Jesus disse: "Até mesmo os cabelos da vossa cabeça estão todos contados" (São Lucas 12, 7), ou seja, Ele sempre sabe de tudo. Deus sabia das palavras de Alexander Carlisle. O Criador não deixa de castigar os maus e abençoar os bons. Como seria diferente para àqueles (Thomas Andrews e Alexander Carlisle) que, pronunciaram palavras torpes contra Aquele que é onisciente e onipotente?
   Mas Deus é mau assim?! Perguntarão alguns que não conhecem a Deus. Não, O Senhor não é mau, mas permite que a liberdade do homem seja exercida plenamente, com total livre-arbítrio. Porém, para cada escolha que fazemos, vem com elas as consequências. Se um ímpio escolhe rejeitar O Filho de Deus, como poderá ficar impune, já que tal benevolência foi infinita por esse Deus, o Pai? Qual Pai ficaria satisfeito com aquele que rejeitou uma morte tão dolorida de um filho tão amado por Ele? Nenhum!

   E, se as consequências dessas escolhas (cegas e arrogantes) não vem nesta vida, virá na próxima — não há escapatória —, simples assim.

   Então, não seria melhor receber essas consequências (causadas pela escolhas erradas) agora, já em vida, sendo que essas consequências trás consigo absolvição dos pecados cometidos? Como pode Deus ser mau, se Ele não quer a condenação de nenhum homem? Por isso, faz com que o homem pague ainda vivo, já que Ele sabe que após a morte do homem — na eternidade —, existe o Inferno, lugar criado por Satanás para aprisionar o homem condenado.

quinta-feira, 20 de julho de 2017

Todo roqueiro é um forte candidato ao suicídio

O cantor da banda Linkin Park, Chester Bennington, cometeu suicídio.

   Ora, o que esperar de quem serve ao demônio através de um "estilo musical" que faz do servo um usuário de drogas, praticante do sexo desregrado, frequentador dos estúdios de tatuagens, consumidor de antidepressivos, modelo das roupas diabólicas, etc?! Só podemos esperar pela morte. E, ainda pior; a segunda morte.

   Penso que essas pessoas deveriam escrever em seus bilhetes de despedida: 'Tirei minha própria vida porque fui um covarde em enfrentá-la'.

   Pois, quem tira sua vida é um covarde — não tem outra palavra. Depressão é para os fracos, para àqueles que vivem sem Deus em suas mentes e corações. Fato.

   Essas pessoas pensam que matando a matéria, seus problemas terão fim. Ledo engano, já que a consciência continua viva e, sofrendo ainda mais, porque agora a alma sente o peso da culpa e dor. Não só a dor de consciência, mas também a dor pela qual foi a causa de sua morte — um tiro na cabeça por exemplo. A dor permanecerá por todo eternidade. Sem falar que essa pessoa terá que conviver com a presença dos demônios pelo quais foi servo em vida.

   Santo Tomás de Aquino diz que às pessoas que comentem suicídio, comentem pecado mortal e não terão mais o perdão, porque é impossível converter-se a Deus após a morte. Uma decisão feita com o uso do livre-arbítrio — com a liberdade toda — será julgado por essa liberdade. Simples assim, lamentavelmente. Rezemos por essa alma que deixou-se seduzir pelo demônio. 

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Santo Tomás de Aquino - Oração para os estudos

Santo Tomás de Aquino ensinando os dominicanos sob a supervisão de Nossa Senhora

Infalível Criador, que dos tesouros da Vossa sabedoria, tiraste as hierarquias dos Anjos colocando-as com ordem admirável no céu; distribuístes o universo com encantável harmonia, Vós que sois a verdadeira fonte da luz e o princípio supremo da sabedoria, difundi sobre as trevas da minha mente  o raio do esplendor, removendo as duplas trevas nas quais nasci: o pecado e a ignorância.

Vós que tornaste fecunda a língua das crianças, tornai erudita a minha língua e espalhai sobre os meus lábios a vossa bênção. Concede-me a acuracidade para entender, a capacidade de reter, a sutileza de relevar, a facilidade de aprender, a graça abundante de falar e de escrever. Ensina-me a começar, rege-me a continuar e perseverar até o término. Vós que sois verdadeiro Deus e verdadeiro homem, que vive e reina pelos séculos dos séculos. Amém.

sábado, 22 de abril de 2017

Idem velle, et idem nolle

Santo Tomás de Aquino, o Doutor Angélico
“São Tomás de Aquino definia a amizade como querer as mesmas coisas e rejeitar as mesmas coisas. Você só é amigo das pessoas que estão indo para o mesmo lugar, que têm os mesmos valores que você; os outros, ainda que sejam seus parentes, ainda que seja a sua mulher, seu pai, sua mãe ou seu filho, não são seus amigos, mas apenas pessoas conhecidas. Com essas pessoas, a atitude que você tem de ter é de caridade. Qual é a caridade que você pode ter com elas? Ensiná-las.

Se você ainda tem medo delas, e não está preparado para ensiná-las, fuja. Fique na solidão, se prepare, e quando você estiver fortinho volta lá, ativamente, com paciência, mas com firmeza. Nunca aceite a convivência nesses termos; nunca aceite a convivência mediocrizante, que vai te rebaixar, porque isso é o que a Bíblia chama de ‘roda dos escarnecedores’, e você não pode ter nada que ver com essa gente. Veja que se afastar das pessoas não quer dizer que você as odeie e não tenha amor por elas."

– Olavo de Carvalho, trecho do Curso Online de Filosofia. Uma dica básica preciosa para os que querem enveredar pela busca de verdade.

“Idem velle, idem nolle”: amigo é o sujeito que quer a mesma coisa que você e rejeita a mesma coisa que você.

Ora, já dizia Santo Tomás de Aquino: “Ubi vera amicitia est, ibi idem velle, et idem nolle, tanto dulcius, quanto sincerius. (Onde está a verdadeira amizade, aí está o mesmo querer e o mesmo não querer, tanto mais agradável, quanto mais sincero), em Santo Tomás de Aquino, Summa Theologiae I.42.3.




sábado, 1 de abril de 2017

Filosofia oculta de Santo Tomás de Aquino

Santo Tomás de Aquino
Santo Tomás de Aquino é indubitavelmente o maior teólogo da Igreja, e por isso mesmo, recebeu os títulos de Doutor AngélicoDoutor Comum, Doutor Universal. Embora sendo uma eminência teológica, esta não ofuscou a sua excelência filosófica. Muitas vezes a sua sabedoria filosófica é esquecida, pois é citado quase sempre, como emérito e incomparável teólogo, ficando oculta, a sua grandeza filosófica. Entretanto, as XXIV Teses escritas por ele, e denominadas de “Teses Tomistas” , são lembradas justamente para revelar a autêntica filosofia de Santo Tomás. E tanto é assim, que a filosofia do grande mestre e teólogo marcou um espaço definido, sendo considerada como uma legítima filosofia, denominada de “filosofia aristotélico-tomista”. Como afirmam os grandes Mestres, não se pode deixar de reconhecer que Tomás de Aquino seguiu as trilhas de Aristóteles, mas ele reformulou de tal modo e com tal sabedoria os ensinamentos do sábio grego, que arquitetou outra filosofia, a sua própria filosofia.

Basta considerar como ele com discernimento, soube introduzir naquela filosofia, os conceitos da criação das coisas por Deus, da temporalidade da matéria-prima, e também do próprio ser, conduzindo as idéias até as últimas consequências, bem mais distante do que aquilo que o Filósofo Grego apenas esboçara. É uma filosofia realista.

   O Tomismo parte da realidade das coisas, não de idéias imaginadas, e delas, conclui todo um sistema coordenado por teses. Em outras palavras: o Tomismo se originou da percepção sensível do mundo, e depois tirou dela, no plano abstrativo da inteligência, um conjunto harmonioso de teses. O Papa Leão XIII, na Encíclica "Aeterni Patris”, descreve a filosofia de Santo Tomás de Aquino:

“O Doutor Angélico buscou as conclusões filosóficas nas razões principais das coisas, que têm grandíssima extensão e conserva em seu seio o germe de quase infinitas verdades, para serem desenvolvidas em tempo oportuno e com imensa quantidade de frutos pelos mestres dos tempos posteriores”.

 “As razões principais das coisas”, é o ponto de partida da Filosofia Tomista. Das coisas que existem, percebidas pelos sentidos humanos, depois de conceituadas e analisadas pela inteligência, Tomás de Aquino eleva as considerações até as explicações últimas das mesmas. E é subindo das percepções mais primitivas das coisas, que Santo Tomás de Aquino chega à certeza do Supremo Criador de todas as coisas. Caminhando pelas mudanças das coisas, da causalidade existente entre elas, da contingência, das perfeições, e da ordem harmoniosa das mesmas, ele caminhando por cinco vias, atinge a sublimidade, a suma perfeição, a existência de DEUS.

   Santo Tomás de Aquino afirmava, que a verdade não tem dono, pertence a todos, é de todos, e acrescentava que: “toda verdade, dita por quem quer que seja, vem do ESPÍRITO SANTO”, e diante das diversas opiniões dos filósofos, ele dizia: “não olhes por quem são ditas, mas o que dizem”.

   O Papa Paulo VI com felicidade descreveu a filosofia Tomista como aquela que abrange o Ser “Tanto no seu valor universal, como nas suas condições essenciais”. Ao que o Papa João Paulo II acrescentou dizendo em belos termos que: “esta filosofia poderia ser chamada filosofia da proclamação do Ser, um autêntico canto em honra daquilo que existe”.

Três Papas declararam que “A Igreja fez sua, a doutrina de Santo Tomás de Aquino”.

   Por outro lado, como é compreensível, Tomás de Aquino não elaborou sozinho a sua filosofia, não a construiu extraída da sua genial inteligência, mas recebeu contribuição dos helênicos Platão e Aristóteles, dos israelitas Avicebron e Maimônides, dos árabes Avicena e Averróis, dos Padres da Igreja, sobretudo de Santo Agostinho, da metafísica implícita na Revelação, as quais estudou profundamente, e com o seu agudíssimo espírito iluminado pela Luz de DEUS, uniu a herança recebida de seus predecessores às suas contribuições pessoais, formulando a sua admirável Filosofia Tomista. A essência deste Realismo está condensada nas XXIV Teses Tomistas.

   Pode ainda surgir à pergunta, por terem sido As XXIV Teses formuladas pela Igreja e por ela propostas, se a uma pessoa que confesse outro credo religioso diferente do católico, lhe serão aceitáveis as XXIV Teses de Santo Tomás de Aquino? Evidentemente teremos uma resposta positiva, porque essas teses limitam-se ao campo da filosofia formulada pela razão natural. Ademais, as que se referem à temporalidade do mundo, à imortalidade da alma, á dualidade corpo e alma, à doutrina da criação, embora sejam afirmadas na Revelação, poderão ser descobertas pela própria razão natural. As Teses se limitam, às filosofias que prescindem da teologia e das verdades religiosas, dos mistérios e dogmas da .

O Primeiro escrito

Santo Tomás de Aquino escreveu entre os anos de 1252 a 1253, quando ainda era jovem, um opúsculo: "O Ente e a Essência”. Nele, aborda questões metafísicas, explicando o percurso da consciência humana entre a sensação e a concepção. Ele afirmava: aquilo que cai imediatamente no alcance do saber humano é composto. O homem se eleva do composto ao simples, do posterior ao anterior. A essência existe no intelecto. A substância composta é matéria e forma. A forma e a matéria, quando tomadas em si, isoladamente, sem a preocupação do entendimento racional, são incognoscíveis, ou seja, não podem ser conhecidas, mas existem caminhos para a investigação das possibilidades. O intelecto quando está isento de pensamentos materiais, revela que nada pode ser mais perfeito do que aquilo que confere o ser humano. Tomás de Aquino é famoso por ter cristianizado Aristóteles, à semelhança do que fez Agostinho com Platão, ele transformou o pensamento daquele sábio num padrão aceitável pela Igreja Católica. Isto, apesar de Aristóteles não ter conhecido a revelação cristã, e de ser a sua obra original, autônoma e independente de dogmas, ela está em harmonia com o saber contido na Sagrada Escritura.

Tomás de Aquino afirmava que podemos conhecer DEUS pelos seus efeitos, porque ELE , o SENHOR, é o último numa escala evolutiva, e a causa de todas as coisas. Antes de DEUS vêm os Anjos, e antes desses, os homens. Ele comenta o gênero e a espécie, que pertencem à essência, pois “o todo” está no indivíduo. A essência tem dois modos, um modo dela própria, e o outro, nada é verdadeiramente dela, senão o que lhe cabe como ela própria. Por exemplo o homem, por ser homem, será sempre racional (isto é próprio do homem e de todos os seres humanos). Mas o branco e o preto não são noções exclusivas da humanidade, não são verdadeiramente dos humanos. (Isto porque, existem muitas raças e não somente homens brancos e pretos). A diferença da essência da substância compostas e simples é que a composta tem forma e matéria, e a simples é apenas forma. A inteligência possui potência e ato. Santo Tomás de Aquino afirma que a essência de DEUS é o seu próprio Ser.

Suas obras teológicas têm muitos aspectos filosóficos. Por exemplo, recordemos a sua clássica afirmação, de que o homem possui uma capacidade, concedida por DEUS, de distinguir naturalmente o certo e o errado. Ele não tinha uma visão muito positiva da mulher, como Aristóteles, que dizia ser o homem mais ativo, criativo e doador de energia vital na concepção, enquanto a mulher é receptora e passiva. Mas aceitava a idéia do filósofo grego, acreditando que aqueles dizeres estavam de acordo com o que estava na Bíblia, no versículo do Gênesis, o qual afirma que a mulher derivou de uma costela do homem. Por outro lado, as Sagradas Escrituras ensinam como viver segundo a vontade de DEUS, e dela, Tomás de Aquino exauriu os seus argumentos sobre a vida moral. Ele com inteligência e discernimento demonstra que não há conflito entre a fé e a razão. O conhecimento verdadeiro é uma adição que se acresce a inteligência para o objeto (que se estuda) ser bem compreendido. Apesar de DEUS ser a causa de tudo, ELE não age diretamente nos fatos (nos acontecimentos) de sua criação. Mas a Providência Divina existe e governa o mundo, pois ELE, o SENHOR, é absoluto e necessário a vida. Sem ELE, o mundo é vazio e a existência é efêmera. A felicidade do homem só pode ser encontrada NELE, na contemplação da Verdade e seguindo o Divino caminho.

A memória nasce pelo acúmulo de lembranças, e a lembrança nasce da experiência. Mas o homem se eleva ao raciocínio e produz a arte. A filosofia é um conhecimento das causas dos fenômenos. Assim a filosofia deve considerar o senso comum e tem um aspecto coincidente com a teologia: seu saber provém da Sabedoria Divina. A Sabedoria Divina deve ser cultivada através da fé, dizia Tomás de Aquino, e isso é comum entre os teólogos. Ele distingue na natureza o ser real e o ser da razão. O ser real existe independente de qualquer consideração da razão. O ser da razão é aquele que apesar de existir em representação, não pode ser independente do pensamento de quem o concebe. Assim a lógica humana só existe no conceito, e não na realidade. Por outro lado, a alma é imortal, pois é imaterial, e tudo que é imaterial é imortal.

Na "Suma contra os Gentios” (os Gentios eram os pagãos e os maometanos), ele faz uma exposição completa da religião católica, identificando a verdade que existe nela. Essa Suma trata de DEUS e de Suas Obras, da fé no Mistério da Santíssima Trindade, da Encarnação, dos Sacramentos e da Vida Eterna. DEUS é a verdade pura, sem falsidade, Vontade que existe em SI e para SI, e neste processo estende a Sua Divina Vontade para o que não é a Sua Essência. O que não é a Essência Divina, são as coisas criadas por DEUS, pois DEUS é tudo. Não tem ódio, não quer o mal, e suas entranhas dão Vida a um Amor Absoluto e Eterno, vibrante, caloroso e indestrutível.

Provas da existência de Deus



Na "Suma Teológica”, que é a sua obra mais importante, ele estabelece as relações entre a ciência e a fé, e entre a filosofia e a teologia. Originando da revelação, a teologia é a ciência suprema, da qual a filosofia é serva ou auxiliar. À filosofia se desenvolve de conformidade com a razão, e por isso mesmo, lhe cabe demonstrar a existência e a natureza de DEUS.

Ele afirma que não podemos ter de DEUS, uma idéia clara e absolutamente distinta, porque nada existe na inteligência, que antes tenha estado nos sentidos humanos. Por exemplo, se sentimos a presença de uma pequena pomba, que nossos olhos vêem, nosso raciocínio recebe aquela informação dos sentidos e compreende que estamos vendo uma pequena pomba.

Assim, para provar a existência de DEUS, ele procede a “posteriori”, partindo não da idéia de DEUS, mas dos efeitos por ele produzidos, formulando cinco argumentos, ou seja, propondo cinco vias:

1) O movimento existe e é uma evidência para os nossos sentidos; ora, tudo o que se move é acionado por um motor; se esse motor, por sua vez, é movido, precisará de uma força para impulsioná-lo, e, assim, indefinidamente, o que é impossível concebermos, se não houver um primeiro motor ou uma força geradora, que movimente aquele primeiro motor. E esta “força” existe, é a Vontade de DEUS.

2) Há uma série de diferentes causas que produzem variados efeitos, ao mesmo tempo; ora, não é possível produzir indefinidamente uma série de causas; logo, terá que haver uma causa primeira, não causada pelo homem, e que portanto,  provêm da força de DEUS.

3) Todos os seres são finitos e contingentes, pois não têm em si próprios a razão de sua existência - são e deixam de ser; ora, se são todos contingentes, em determinado tempo deixariam todos de ser e assim, nada existiria, o mundo ficaria vazio, o que é um absurdo; logo, os seres contingentes implicam na existência do ser necessário, que é DEUS, que tudo providencia.

4) Os seres finitos alcançam todos os determinados graus de perfeição, mas nenhum é a perfeição absoluta; logo, há um ser sumamente perfeito, causa de todas as perfeições, que é DEUS.

5) A ordem do mundo implica em que os seres tendam todos para um fim, não em virtude de um acaso, mas da inteligência que os dirige; logo, há um ser inteligente que os dirige; logo, há um ser inteligente que ordena a natureza e a encaminha para seu fim; esse ser inteligente é DEUS.

Complemento Racional: No mar e nos rios, existe uma quantidade notável de diferentes espécies de peixes, que se reproduzem por sua própria natureza. Como surgiram os primeiros peixes, aqueles que colocaram os primeiros ovos para que nascessem todos os outros na sequência da vida? Foi a Vontade Magnânima e Amorosa de Um DEUS Poderoso e Eterno quem colocou os primeiros peixes no rio e no mar.

Homem, alma e conhecimento

Para Tomás de Aquino, o homem é corpo e alma inteligente, incorpórea (ou imaterial), e se encontra, no universo, entre os Anjos e os animais. Princípio vital, a alma é a parte do corpo organizado que tem a vida em plenitude.

Contestando o platonismo e a tese das idéias inatas, Tomás de Aquino observa que se a alma tivesse de todas as coisas um conhecimento inato, não poderia esquecê-lo, e, sendo natural que esteja unida a um corpo, não se explica porque seja o corpo a causa desse esquecimento.

Para Tomás de Aquino, conhecer não é se lembrar, como pretendia Platão, mas extrair, por meio do intelecto, a forma e o conhecimento que se acha contida nos objetos sensíveis e particulares. Do conhecimento depende o apetite, ou o estimulo e desejo, a natural inclinação da alma pelo bem.

O homem, só pode desejar o que conhece, razão pela qual há duas espécies de apetites ou desejos: os sensíveis e os intelectuais. Os primeiros, são relativos aos objetos sensíveis, e produz as paixões, cuja raiz é o amor. Os segundos ou intelectuais, produzem a vontade, apetite da alma em relação a um bem que lhe é apresentado pela inteligência como tal.

Seguindo Aristóteles, Santo Tomás de Aquino diz que: "para o homem, o bem supremo é a felicidade, que não consiste na riqueza, nem nas honrarias, nem no poder, e nem em nenhum bem criado, mas na contemplação do absoluto, ou na visão da essência Divina, realizável somente na outra vida, e com a graça de DEUS, pois excede as forças humanas".

Dom Odilão Moura O.S.B