A Percepção Direta de Deus e a Jornada da Vida Interior Pular para o conteúdo principal

A Percepção Direta de Deus e a Jornada da Vida Interior

 

A Percepção Direta de Deus e a Jornada da Vida Interior

No cerne da fé e da busca espiritual, reside o mistério da percepção direta de Deus, uma visão que transcende as capacidades naturais de toda inteligência criada, seja angelical ou humana. Enquanto as inteligências criadas são capazes, por sua própria natureza, de perceber Deus através do reflexo de Suas perfeições na ordem criada, a visão direta de Deus em Sua essência está além de sua capacidade intrínseca.

Anjo e alma humana atingem o conhecimento sobrenatural de Deus e um amor divino sobrenatural somente quando são agraciados com o enxerto divino - a graça habitual ou santificante - que os torna capazes de operações divinas. Essa graça é a participação da natureza divina e vida íntima de Deus, conferindo a capacidade de ver Deus diretamente como Ele Se vê e amá-Lo como Ele Se ama.

A deificação da inteligência e da vontade exige a deificação da própria alma, uma transformação profunda da essência da alma. Essa graça, quando plenamente consumada e inamissível, é conhecida como glória. Através da glória, a inteligência dos bem-aventurados no céu é iluminada por uma luz sobrenatural que lhes permite ver Deus. A vontade é permeada pela caridade infusa, que os leva a amá-Lo de maneira inquebrantável.

Jesus frequentemente proclamava: "Aquele que crê em mim tem a vida eterna", indicando que a vida da graça é um começo da vida eterna. É uma realidade em germe, uma promessa de vida divina que se desenvolverá plenamente, assim como uma semente de carvalho contém a vida do carvalho maduro.

A vida da graça é a mesma em sua essência tanto para os justos na Terra quanto para os santos no céu. No entanto, há distinções importantes: na Terra, o conhecimento de Deus é marcado pela fé, enquanto no céu é caracterizado pela visão direta; também, a posse da graça é insegura na Terra, mas inamissível no céu.

Uma consequência significativa desse entendimento é que a contemplação infusa dos mistérios da fé e a união com Deus não são extraordinárias, mas parte da via normal da santidade. A graça santificante e a caridade são superiores às graças extraordinárias, como profecias ou dons das línguas, pois unem a alma a Deus de maneira íntima e duradoura.

A vida interior, que emerge da vida da graça, requer abnegação e oração. Ela é uma jornada sobrenatural que leva à união com Deus, com etapas de purificação, iluminação e união. Essa jornada culmina em uma conversa íntima com Deus, em que o homem interior se afasta do egoísmo e cresce em amor e proximidade a Deus.

No âmago dessa conversa íntima, a alma percebe que seu verdadeiro fim não está nela mesma, mas em Deus. Essa manifestação progressiva de Deus à alma é um processo em que o homem interior cresce em conhecimento e desejo de Deus, tornando-se cada vez mais uma criança em relação a Ele.

Portanto, a vida interior é a jornada da alma em direção a uma conversa mais profunda com Deus, uma busca por união e uma transformação contínua. Ela não é apenas uma experiência extraordinária, mas parte integrante da vida de santidade, acessível a todos os que buscam a Deus com sinceridade e abertura de coração. Que possamos seguir essa jornada em busca da plenitude da vida divina e da união com o Criador.

Comentários

Autores do blog

Minha foto
Frank Matos
Apenas um estudante de Filosofia e Teologia, pois através dessas ciências busco a verdade e o fim último do homem, a saber, Deus.

Postagens mais visitadas deste blog

A Profunda Sabedoria da Amizade segundo São Tomás de Aquino

  A amizade é um tesouro raro e profundo, uma ligação que transcende o tempo e a distância, enraizada no compartilhamento de valores e objetivos. O filósofo e teólogo São Tomás de Aquino capturou a essência dessa relação em sua máxima: “Idem velle, idem nolle” — querer as mesmas coisas e rejeitar as mesmas coisas. Nesta reflexão, exploraremos a riqueza dessa definição de amizade, destacando como ela se alinha com os princípios tomistas e a busca pela verdade. São Tomás de Aquino, um dos maiores expoentes da filosofia e teologia cristã, entendia que a verdadeira amizade é forjada nas chamas da afinidade. Amigos genuínos não apenas compartilham alegrias e sucessos, mas também abraçam as dificuldades e desafios comuns. E o cerne dessa ligação reside na harmonia de vontades e rejeições mútuas. Quem compartilha valores, sonhos e ideais semelhantes encontra um terreno fértil para o florescimento da amizade duradoura. É interessante notar que essa definição não se limita apenas ao âmbito hum

A Comunhão Espiritual

  A Profunda Significância da Comunhão Espiritual na Vida Cristã A comunhão espiritual, um conceito profundamente enraizado na teologia tomista e na fé católica apostólica romana, tem sido um pilar essencial na vida devocional de muitos fiéis. Santo Tomás de Aquino, um dos pilares da filosofia e teologia, definiu a comunhão espiritual como um desejo ardente de receber Jesus Cristo sacramentalmente. Esta prática, elogiada pelo sagrado Concílio de Trento, assume uma importância inegável na busca pela proximidade com Cristo. O relato de experiências místicas, como o episódio de sóror Paula Maresca, fundadora do convento de Santa Catarina de Senna em Nápoles, reflete a manifestação divina em relação à comunhão espiritual. Jesus Cristo apresentou a ela dois vasos preciosos, um de ouro contendo suas comunhões sacramentais e outro de prata abrigando as espirituais. Isso ilustra a apreciação divina por essa forma de comunhão, onde o desejo sincero de se unir a Ele é considerado de igual valor.

É permitido a um homem casado servir no altar?

  A liturgia da Santa Missa é um momento de profundo significado para a fé católica, e o serviço do altar desempenha um papel de elevada dignidade nesse contexto. A Igreja reconhece essa importância ao consagrar as diversas funções do servidor do altar através das ordens menores. Cada função desempenhada pelo servidor possui um simbolismo profundo que reflete a relação do servidor com Deus e a congregação. O Hostiário, por exemplo, é responsável por soar os sinos e segurar os livros. Seu papel transcende as tarefas externas, representando um chamado à oração, guiando os fiéis com seu bom exemplo de vida. O Exorcista, por sua vez, tem a responsabilidade de despejar a água no Lavabo, simbolizando a purificação da alma. Sua função é intrinsecamente ligada à pureza de espírito, um modelo a ser seguido pelos outros fiéis. O Acólito, com a tarefa de carregar as velas e trazer água e vinho ao altar, participa diretamente na preparação do Santo Sacrifício da Missa. Ele é um farol de bondade, j

Contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Estatísticas