A oração de Nosso Senhor no Horto das Oliveiras Pular para o conteúdo principal

A oração de Nosso Senhor no Horto das Oliveiras

 

No capítulo 26 do Evangelho de Mateus, encontramos uma passagem profundamente significativa da vida de Cristo. Ao se adiantar um pouco e prostrar-se com o rosto por terra, Ele nos revela três condições cruciais para uma oração sincera e profunda:

1. Solicitude: Cristo se afastou levemente, escolhendo um momento íntimo para orar. Esse ato nos recorda as palavras: “Quando orares, entra no teu quarto, fecha a porta e ora ao teu Pai em segredo” (Mateus 6, 6). Ele não se distanciou muito para que pudesse estar acessível a todos aqueles que o invocassem. Esse gesto também serviu como um ensinamento sobre a importância da privacidade na oração.

2. Humildade: A prostração de Cristo com o rosto por terra é um exemplo supremo de humildade. Ao fazer isso, Ele demonstrou que a humildade é essencial na oração. Isso se relaciona ao momento em que Pedro afirmou que nunca o negaria, e aqui Cristo prostrou-se para mostrar a necessidade de confiar em Deus, não em nossas próprias forças.

3. Devoção: Ao dirigir-se a Deus como “Meu Pai”, Cristo revela a natureza íntima de sua relação com o Pai. Ele é o Filho de Deus por excelência, enquanto nós, pela graça da adoção, também nos tornamos filhos de Deus. Isso ressalta a importância da devoção e do relacionamento pessoal na oração.

No versículo seguinte, Cristo faz uma prece reveladora: “Se é possível, afasta de mim este cálice! Todavia não se faça o que eu quero, mas sim o que Tu queres” (Mateus 26, 39). Aqui, Ele nos ensina importantes lições sobre a natureza da oração e da vontade:

1. Natureza humana: Cristo, ao expressar Seu desejo de evitar o sofrimento iminente, demonstra que Ele assumiu uma natureza verdadeiramente humana, incluindo todas as inclinações naturais e sentimentos.

2. Harmonia entre vontades: Ele também nos mostra que é humano querer algo que Deus não deseja. Isso destaca a tensão entre a vontade humana e a vontade divina. No entanto, Cristo exemplifica a importância de alinhar nossos desejos com a vontade de Deus.

3. Submissão à vontade divina: Ao declarar “Não se faça o que eu quero, mas sim o que Tu queres”, Cristo submete Sua própria vontade à vontade do Pai. Esse ato de submissão reflete a profunda harmonia e obediência entre as duas naturezas de Cristo.

Em conclusão, Cristo nos fornece um modelo de oração e submissão que abrange solicitude, humildade e devoção. Sua prece revela a complexidade da vontade humana e a importância de alinhá-la à vontade divina. Ao seguir esse exemplo, podemos aprender a orar com corações sinceros e a viver em conformidade com a vontade de Deus.

Comentários

Autores do blog

Minha foto
Frank Matos
Apenas um estudante de Filosofia e Teologia, pois através dessas ciências busco a verdade e o fim último do homem, a saber, Deus.

Postagens mais visitadas deste blog

A Profunda Sabedoria da Amizade segundo São Tomás de Aquino

  A amizade é um tesouro raro e profundo, uma ligação que transcende o tempo e a distância, enraizada no compartilhamento de valores e objetivos. O filósofo e teólogo São Tomás de Aquino capturou a essência dessa relação em sua máxima: “Idem velle, idem nolle” — querer as mesmas coisas e rejeitar as mesmas coisas. Nesta reflexão, exploraremos a riqueza dessa definição de amizade, destacando como ela se alinha com os princípios tomistas e a busca pela verdade. São Tomás de Aquino, um dos maiores expoentes da filosofia e teologia cristã, entendia que a verdadeira amizade é forjada nas chamas da afinidade. Amigos genuínos não apenas compartilham alegrias e sucessos, mas também abraçam as dificuldades e desafios comuns. E o cerne dessa ligação reside na harmonia de vontades e rejeições mútuas. Quem compartilha valores, sonhos e ideais semelhantes encontra um terreno fértil para o florescimento da amizade duradoura. É interessante notar que essa definição não se limita apenas ao âmbito hum

A Comunhão Espiritual

  A Profunda Significância da Comunhão Espiritual na Vida Cristã A comunhão espiritual, um conceito profundamente enraizado na teologia tomista e na fé católica apostólica romana, tem sido um pilar essencial na vida devocional de muitos fiéis. Santo Tomás de Aquino, um dos pilares da filosofia e teologia, definiu a comunhão espiritual como um desejo ardente de receber Jesus Cristo sacramentalmente. Esta prática, elogiada pelo sagrado Concílio de Trento, assume uma importância inegável na busca pela proximidade com Cristo. O relato de experiências místicas, como o episódio de sóror Paula Maresca, fundadora do convento de Santa Catarina de Senna em Nápoles, reflete a manifestação divina em relação à comunhão espiritual. Jesus Cristo apresentou a ela dois vasos preciosos, um de ouro contendo suas comunhões sacramentais e outro de prata abrigando as espirituais. Isso ilustra a apreciação divina por essa forma de comunhão, onde o desejo sincero de se unir a Ele é considerado de igual valor.

É permitido a um homem casado servir no altar?

  A liturgia da Santa Missa é um momento de profundo significado para a fé católica, e o serviço do altar desempenha um papel de elevada dignidade nesse contexto. A Igreja reconhece essa importância ao consagrar as diversas funções do servidor do altar através das ordens menores. Cada função desempenhada pelo servidor possui um simbolismo profundo que reflete a relação do servidor com Deus e a congregação. O Hostiário, por exemplo, é responsável por soar os sinos e segurar os livros. Seu papel transcende as tarefas externas, representando um chamado à oração, guiando os fiéis com seu bom exemplo de vida. O Exorcista, por sua vez, tem a responsabilidade de despejar a água no Lavabo, simbolizando a purificação da alma. Sua função é intrinsecamente ligada à pureza de espírito, um modelo a ser seguido pelos outros fiéis. O Acólito, com a tarefa de carregar as velas e trazer água e vinho ao altar, participa diretamente na preparação do Santo Sacrifício da Missa. Ele é um farol de bondade, j

Contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Estatísticas